Efeitos da MRF  em 12 meses de ação: transformação de um corte de barranco em solo fértil

Observação: foram aplicados apenas 30% da tecnologia ART para fertilização.

1° Passo: selecionar um solo degradado:

corte de barranco de PVE/serra do Japi; solo composto de horizonte B/C (decapitado)

 

2° Passo: aplicar camada de 2 cm de MRF (galhada de abacateiro).

 

3° Passo: deixar camada de MRF interagir com o solo por 12 meses. Neste período ocorreram diversos processos, fruto da atividade biológica:

  • partículas soltas de MRF unem-se, formando uma camada agregada (pan);
  • debaixo deste pan a biota do solo revolve e ocupa o extrato superior;
  • a cor do solo se modifica, tornando-o mais escuro, num tom marrom;
  • é nítida a estruturação do solo promovida pela atividade do solo;
  • como é nítido o crescimento na disponibilidade de nutrientes.

 

4° Passo: avaliar resultados visíveis:

A – Coloração das plantas invasoras

 

5° Passo: análise da fertilidade do solo

FISICA

Macroporos (penetrabilidade)

A fertilidade física do solo melhorou sensivelmente. O volume de poros entre os agregados, usando apenas 30% da tecnologia ART, aumentou sensivelmente:

Sem MRF: 906 g / 589 ml = 1,538; diferença = 0,086 em 1,470

Com MRF: 866 g / 589 ml = 1,470; ganho poros = 100 * 0,086/1,470 =4,6%

O ganho medido é essencialmente de macroporos.

A penetrabilidade do solo pela água de chuva melhorou!

 

Microporos (CRA = capacidade retenção água)

A melhora na microporosidade não pôde ser medida, mas se aproxima da seguinte proporção:

A cada 100% de aumento de húmus, a CRA aumenta ao redor de 80%

Neste caso, o aumento de 47% do húmus poderá ter melhorado a CRA em 37%.

 

 

QUÍMICA

Para comparar os índices de teor de nutrientes disponíveis, veja a tabela abaixo:

Melhora teor de nutrientes disponíveis, aplicando apenas 20% tecnologia ART:

Comentários para: agricultura@regenerativa.art.br